Cadastre-se e receba novidades e promoções do grupo CTO

Novidades

Crianças e a prática de exercícios físicos

25/06/2012 15:32

O educador físico, Danilo Santos, tira dúvida de pais e responsáveis por crianças sobre a prática da atividade física nesta fase.

É comum a preocupação dos pais quando observam que seus filhos são menores do que seus primos ou colegas da escola de mesma idade e sexo. Atualmente os profissionais de saúde estão sendo questionados sobre os efeitos que o exercício físico exerce sobre o crescimento de crianças e adolescentes e a grande questão é:

                                     

- O exercício físico realizado na infância é prejudicial à maturação das crianças? – Essa é uma pergunta que buscaremos responder ao final da nossa discussão.

 

Exercício físico é a organização periodizada das atividades físicas realizadas por uma pessoa, e esta é uma responsabilidade do profissional de Educação Física. Os exercícios físicos estão diariamente estampando as manchetes de jornais, revistas especializadas e principalmente a mídia televisiva quanto aos seus benefícios atrelados à manutenção e a recuperação da saúde. É aconselhável que as pessoas de todas faixas etárias mantenham uma vida ativa, e assim, adquiram uma condição mais saudável e afaste uma gama de eventos que prejudicam sua saúde.

 

O sedentarismo é um comportamento nocivo que tem se destacado atualmente pelo grande número de crianças e jovens adolescentes que mantém esse hábito na atualidade, e uma mudança de atitude se faz necessário para o controle da onda de efeitos colaterais que são advindos da falta de atividades físicas.

 

A ciência e as interpretações fisiológicas baseadas em pesquisas nacionais e internacionais afirmam que os hábitos adquiridos na infância e adolescência devem ser preservados ao logo da vida, logo, somos levados a presumir que uma criança ativa que pratica atividade física de forma regular, quer seja jogando futebol, nadando ou brincando de pique, se tornará um adulto mais ativo e menos propenso a contrair doenças como hipertensão arterial, dislipidemias (discrepâncias no colesterol), obesidade, depressão, déficit cognitivo, infarto do miocárdio, diabetes, alguns tipos de câncer, aterosclerose, artrose, osteoporose, doença pulmonar entre outras.

 

 

A questão é que tipo de atividades as crianças podem fazer? - Bom, vamos tentar solucionar algumas dúvidas.

 

As crianças estão numa idade onde tradicionalmente se movimentam ou deveriam se movimentar bastante, pois, é nesse período que ela deve adquirir muitas habilidades motoras que irão compor seu repertório de movimentos satisfatórios ao longo da adolescência e da fase adulta, para tanto, ela brinca e inconscientemente se prepara para fases posteriores da vida e quando não fazem, devem ser estimuladas para tal.

 

Ocorre que hoje nossas crianças não tem mais no momento de lazer, atitudes que tinham a alguns anos atrás era comum para elas, brincar de se esconder, policia e ladrão, puxar o carrinho amarrado ao barbante, jogar bola com os amigos e muitos outros comportamentos. Hoje se a criança quer brincar de carro, pede um jogo de corrida para o “PC” ou pro “PS2”, se querem jogar futebol fazem o mesmo e assim as atividades lúdicas que ocupavam o tempo das crianças de maneira saudável tanto para a saúde física quanto comportamental (se pensarmos na interação) estão deixando de existir.

 

Atualmente é comum os Profissionais de Educação Física serem indagados por pais se seu filho pode “fazer academia” seja para redução de peso adquirida pela alimentação desordenada e pela falta de exercícios físicos, para ganhar peso corporal ou outros objetivos e ouvem as mais variadas respostas. Em fim, a criança não deve ser diferenciada do adolescente ou do adulto quanto ao poder de frequentar, por exemplo, uma academia seja de ginástica, natação ou de artes marciais. A diferença é que a infância é uma fase de formação importantíssima do ser humano e assim, é tida como outros grupos seletos como uma população especial e dessa forma, toda sua atividades cotidianas devem ser bem cautelosas.

 

Antes de matricular a criança numa academia, o responsável deve avaliar o ambiente, procurar referências com amigos ou conhecidos, investigar se a academia é legal e seus profissionais são de fato professores graduados em Educação Física, acompanhar a criança nos primeiros contatos com o professor para que o jovem saiba que será assistindo não somente por ele mais também pela família. Outros cuidados importantes é zelar por uma alimentação equilibrada, não permitir que a criança se exercite em jejum, que esteja calcando um tênis adequado e com sistema de amortecimento, as roupas devem ser leves, de preferência camisetas e bermudas e a hidratação deve a todo momento ser incentivada.

 

Do ponto de vista da saúde, as atividades realizadas por crianças em academias devem possuir intensidades leves a moderadas e serem  versáteis, abordando valências físicas relacionadas á saúde que compreendam ações de caminhar, correr, pedalar, saltar, abaixar, alongar, além de atividade planejadas que visem também o equilíbrio, a orientação espacial, a lateralidade, coordenação motora e a força.

 

Essas valências já são trabalhadas pelas próprias crianças quando brincam em casa ou na rua com seus amigos. Atividades de pega-pega, esconde-esconde, Galo de briga, cabo de guerra, são algumas brincadeiras que exercitam as valências abordadas no parágrafo anterior (caminhar, correr, abaixar, fazer força, entre outros). A diferença é que num ambiente como de uma academia, as crianças serão orientadas a realizar determinadas atividades que utilizem as mesmas valências, só que num ambiente controlado por um profissional especializado e a pratica perde um pouco o caráter lúdico e passa a ter um caráter mais terapêutico.

 

 

Já é sabido pela comunidade científica que enquanto o exercício físico moderado estimula o crescimento, o treinamento físico vigoroso ou exaustivo pode representar risco ao bom desenvolvimento do crescimento físico, sendo esse efeito resultante mais da intensidade e duração do treino do que propriamente do tipo de exercício praticado. Dosagens adequadas de exercício físico podem não inibir, mais favorecer a otimização da maturação.

 

Concluindo a discussão e respondendo o questionamento primário - O exercício físico realizado na infância é prejudicial a maturação das crianças?

 

A resposta é não, desde que a criança esteja bem assistida e que as atividades quanto as suas intensidades estejam devidamente dosadas o exercício físico na infância pode trazer inúmeros benefícios para a saúde durante a infância e que perdurem por toda vida adulta.

 

Danilo Santos .:Cref: 5115 – G/Ba

Professor de Educação Física e Fisiologista

Professor e Coordenador da Academia da Avenida